Criança tailandesa com argolas no pescoço, aprendendo desde pequena a ser uma mulher girafa

Só no pescoço as mulheres girafas chegam a carregar mais de 10 quilos de aros e junto com os anéis dos braços e tornozelos, o peso pode superar os 20 quilos.

Ao contrário da imaginação, criada pelo folclore, a cabeça dessas mulheres não cai quando os colares são retirados, tanto que elas costumam tirar o colar para se lavar; o pescoço continua rijo e pode quebrar-se se for virado subitamente.

Segundo estudiosos da Universidade de Chiang Mai, na Tailândia, não é o pescoço que cresce, mas os ombros que descem – a clavícula vai cedendo com o peso dos aros. Dessa maneira, quatro vértebras torácicas passam a integrar a estrutura do pescoço.

Detalhe: elas são chamadas de mulheres-girafas não só pelo tamanho do pescoço, mas também pelo andar característico, extremamente altivo, provocado pelo uso e pelo peso do colar.

De origem Africana, ainda que em menor número hoje em dia, a explicação desse hábito na Ásia tem várias interpretações lendárias:

O colar espantaria forças sobrenaturais para as quais os birmaneses animistas (que cultuam a natureza) e até mesmo budistas constroem altares embaixo de grandes árvores;

O colar teria sido uma punição para as mulheres adúlteras de antigamente;

Os homens teriam feito isso com suas mulheres para torná-las feias, evitando que fossem raptadas ou, ao contrário, ornamentavam-nas dessa maneira para mostrar sua riqueza e se fazer respeitar;

Uma proteção para as camponesas contra os tigres que as atacavam na garganta para beber seu sangue quando trabalhavam nos campos;

Uma das explicações é que, para os padaungs (principal tribo de mulheres girafas), o centro da alma é o pescoço. Assim, para proteger a alma e a identidade da tribo, as mulheres protegem o pescoço com aros, entre cinco e 25, cada qual com 8,5 milímetros de diâmetro, antigamente de ouro e, hoje, de cobre ou latão.

Criança tailandesa com argolas no pescoço, aprendendo desde pequena a ser uma mulher girafa